Adem Wahbi ganha Open do Algarve de golfe adaptado


ADEM WAHBI IS EDGA ALGARVE OPEN CHAMPION 2017

Belgium’s Adem Wahbi is the deserving winner of the EDGA Algarve Open 2017, supported by the Association of Algarve Tourism.

Adem earned the Gross trophy after a brilliant second round +1, 73, to follow his opening 76 on the challenging course at Pestana Vila Sol, allowing him to stay clear of two Englishmen who tied for second place, George Groves and Kevin Harmison (77 and 78 respectively today), and the excellent Brendan Lawlor of Ireland in 4th spot (78 today) and France’s Mathieu Cauneau in 5th (77).

Classificação gross
Manuel de Los Santos of the Dominican Republic enjoyed a 76 to pull him up to 6th place; while the leading female player was Daphne Van Houten of The Netherlands with rounds of 88,77.


ROLAND MAYER WINS ‘NET’ AT ALGARVE OPEN

Classificação net
Roland Mayer of Austria held off a strong challenge from France’s Mathieu Cauneau and Jon Anker Johanneson of Denmark (both tied 2nd) to win by a single shot the Net category of the EDGA Algarve Open, supported by the Association of Algarve Tourism.

Roland’s consistent 70,71 proved just enough to beat Mathieu despite his strong 70 today, and Jon Anker’s impressive 70,72 scoring.
Classificação stableford

England’s Aimi Bullock (tied 6th) was leading woman in the Net at Pestana Vila Sol.

STANISLAV JIRASEK WINS ‘STABLEFORD’ AT ALGARVE OPEN

Stanislav Jirasek of the Czech Republic showed his mental strength to tee off as leader this morning and convert this into victory in the Stableford section of the EDGA Algarve Open, supported by the Association of Algarve Tourism.

Jirasek takes the trophy following pressure today from France’s Cyril Blanchemain in second place and Spain’s Carlos Alvarez Rodero in third at Pestana Vila Sol.

Classificação dos dois portugueses participantes na prova, na classificação stableford

Jantar de encerramento no Pestana Vila Sol
TEXTO E FOTOGRAFIAS DE EUROPEAN DISABLED GOLF ASSOCIATION 


Nelson Machado ganha V Campeonato Nacional de SNAG Golfe


V Campeonato Nacional de SNAG Golfe 2017 em
Viana do Castelo

O Clube de Golfe de Viana do Castelo, em parceria com Associação Nacional de SNAG Golf e a Camara Municipal de Viana do Castelo, acolheu o V Campeonato Nacional de SNAG Golf 2017, apadrinhado pelo belo dia com que São Pedro nos brindou, decorreu no Jardim da Marina de Viana do Castelo. Foi uma excelente tarde de iniciação ao Golfe.

Apareceram imensos participantes de todas as idades, divertiram-se aprendendo a jogar golfe na companhia da família e Amigos. Todos ficaram com uma grande vontade de praticar esta fabulosa modalidade desportiva que é o Golfe…

Nelson Machado vencedor absoluto do V Campeonato Nacional de SNAG Golfe 2017, com 19 tacadas, recebeu a taça das mãos do Vice Presidente da Camara Municipal de Viana do Castelo e Vereador do Desporto Engº Vitor Lemos e do Presidente do Clube de Golfe de Viana do Castelo, Luis Ramiro tendo ganho o estatuto de Bicampeão Nacional de SNAG GOLF.

Nos restantes escalões, na categoria de senhoras, as taças foram muito bem disputadas, tornando-se vencedoras a Licínia Rodrigues e a Emilia, empatadas com 23 tacadas, em Infantis o vencedor é o Pedro, em Juvenis o trofeu foi para o Tomas em Junior venceu o Tiago, na categoria sénior César Viegas é o novo Campeão. Tivemos a brilhante participação do Manuel Alberto que levou a taça na categoria de desporto adaptado.

Foi um campeonato repleto de emoções, todos se divertiram muito na belíssima margem direita do nosso lindo Rio Lima, no Jardim da Marina em Viana do Castelo.

Parabéns aos Campeões e a todos os participantes e publico em geral, que nos acompanharam em mais este grande evento em Viana do Castelo!


Um agradecimento muito especial, a todos os participantes, à Camara Municipal de Viana do Castelo, com a presença do Vice-Presidente Engº Vitor Lemos, ao técnico do desporto, Bruno Gigante, ao executivo da União de Freguesias de Viana do Castelo, que nos visitaram, ao Pedro Silva, Presidente da Associação Portuguesa de SNAG Golfe, Nelson Machado e a todos os patrocinadores deste torneio.

PRESS RELEASE DO CLUBE DE GOLFE DE VIANA DO CASTELO

4º Troféu Açores / 6º Troféu Ibérico de Clubes: Vitórias de QUINTA DAS LÁGRIMAS e PEDRO COELHO










4º Troféu Açores / 6º Troféu Ibérico de Clubes

PRIMEIRO TÍTULO IBÉRICO
PARA QUINTA DAS LÁGRIMAS
PEDRO COELHO CAMPEÃO

O CLUBE DE GOLFE DA ILHA TERCEIRA RECEBEU PELA PRIMEIRA VEZ A FINAL E DEFENDEU CONDIGNAMENTE O TÍTULO CONQUISTADO UM ANO ANTES, CONTENTANDO-SE COM O VICE-CAMPEONATO

A região Centro de Portugal continua a ser o berço do maior número de vitórias no Troféu Ibérico de Clubes, cuja 6ª edição foi conquistada pelo Clube de Golfe da Quinta das Lágrimas, de Coimbra, numa Final disputada pela primeira vez no Clube de Golfe da Ilha Terceira, nos Açores.

A nível individual, o Troféu Açores, também organizado pela Stream Plan em colaboração com o Club de Golf Ibérico, consagrou nesta sua 4ª edição Pedro Coelho, um estudante do 6º ano da licenciatura em Medicina, jogador do Montado Hotel & Golf Resort, em Palmela.

Ao longo de dois dias, competiram 20 jogadores na Final do 4º Troféu Açores e 20 duplas no 6º Troféu Ibérico de Clubes – o mesmo número de equipas finalistas dos dois anos anteriores – depois de, ao longo do ano, se terem realizado 27 etapas classificativas, em 22 clubes de Inglaterra, Espanha e Portugal, atraindo 1.149 participantes.

Na Final do 6º Troféu Ibérico de Clubes houve muita competitividade e o Clube de Golfe da Quinta das Lágrimas passa a ter o direito de ostentar na sua sede a Taça André Jordan durante um ano, mas só terminou com 5 pancadas de vantagem sobre o Clube de Golfe da Ilha Terceira, a equipa campeã do ano passado, que por pouco não defendia o título em casa e repetia o feito do Clube de Golfe de Viseu, o único bicampeão da prova (2013 e 2014).

A Quinta das Lágrimas alinhou com a mesma equipa do ano passado (um caso raro), constituída por António Tendeiro e Rui Brás, que somaram 307 pancadas medal net (101 acima do Par), após voltas de 156 e 151, com destaque para as 76 de Tendeiro no primeiro dia e para as 73 de Brás no segundo.



Já o clube da casa jogou com Flávio Barcelos e Marco Moniz e totalizou 312 (158+154), +92. Também neste caso Barcelos teve a melhor primeira volta (77) e Moniz a melhor segunda (70). Aliás, as 70 pancadas de Moniz foram mesmo o melhor resultado de todo o torneio!

O mais interessante é que as duas equipas primeiras classificadas ficaram a dever essa boa prestação aos seus resultados do segundo dia, porque ao cabo da primeira jornada quem liderava era o Clube de Golfe do Campo Real (da região Oeste do país) com 151 pancadas, seguido do Clube de Jornalistas com 155. A Quinta das Lágrimas só aparecia no 3º lugar, a 5 pancadas da liderança. Mas na segunda jornada, o Campo Real não fez melhor do que 164, terminando em 4º, e os Jornalistas apresentaram 171, tombando para 9º.

O 3º lugar do 6º Troféu Ibérico de Clubes acabou por pertencer ao Golf do Montado que, com uma formação de filho e pai – Pedro e Luís Coelho –, agregou 315 pancadas (156+159), +67.

Pedro Coelho, que já tinha participado no Troféu Açores no ano passado mas não tinha conseguido qualificar-se para a Final, acabou por sagrar-se vencedor desta competição individual, com 146 pancadas, 8 acima do Par, após voltas de 72 e 74, resultados apreciáveis para quem nunca tinha jogado antes no campo que este ano foi palco do Açores Ladies Open, o mais importante torneio feminino português, um traçado que tantas dificuldades provocou junto das profissionais desse circuito europeu.

Também neste torneio individual a competitividade foi a palavra de ordem. Pedro Coelho liderou desde a primeira volta, mas só triunfou com 2 pancadas de vantagem sobre Leonel Seixas (77+71), do Clube de Golfe de Viseu. O 3º posto foi para Marco Moniz (81+70), da Terceira, que cometeu a proeza de no segundo dia melhorar em 11 pancadas (1) o resultado da jornada inaugural, para terminar a apenas 5 pancadas do vencedor. 


Pedro Coelho sucedeu ao inglês David Richards, que no ano passado tinha ganho o Troféu Açores no Batalha Golf Course, em São Miguel, tornando-se então no primeiro campeão estrangeiro.

Houve também um prémio para a melhor jogadora de 2017, Ana Maria Rebelo, 11ª na classificação geral, da Associação Nacional de Seniores de Golfe, com 168 (82+86), +82.

Os top-3 da classificação coletiva, o top-3 da tabela individual e a melhor jogadora da prova receberam prémios Murganheira, cabazes Azores Gourmet, enquanto o vencedor do Troféu Açores e o par campeão do Troféu Ibérico de Clubes foram ainda presenteados pelos sapatos Kankura e uma viagem da Azores Airlines de ida e volta entre Lisboa e Ponta Delgada, para além, obviamente, dos respetivos troféus.

Recorde-se que estas duas competições têm a sua génese em 2005. Para comemorar a vinda da Taça do Mundo de profissionais a Portugal, na qual esteve envolvido o promotor António Carmona Santos, fundador da Stream Plan, realizou-se a primeira edição do Troféu Ibérico de Clubes, vencendo o Alto Golf.

Em 2013 o Troféu Ibérico regressou e foi completamente dominado pelo Clube de Golfe de Viseu, que revalidou o título em 2014. A ANSG-Delegação Norte impôs-se em 2015 e em 2016 ganhou o Clube de Golfe da Ilha Terceira, para o título e a Taça André Jordan irem agora para o Clube de Golfe da Quinta das Lágrimas.

Declarações dos campeões das duas provas

Pedro Coelho (Troféu Açores): «É a primeira vez que venho aos Açores. Sabia que este campo recebe alternadamente o Açores Ladies Open e é claro que é sempre interessante jogar num campo de competições desse nível. Gostei do campo. Não diria que é estratégico do ponto de vista dos obstáculos, mas é estreito, não pode falhar-se o fairway e a grande dificuldade são os greens, quer no approach, quer, sobretudo, nas linhas de putt, nada fáceis de se lerem. Esteve bom tempo, apesar de alguma chuva e vento na primeira volta do segundo dia. Quando me vi na frente no final do primeiro dia, passei a ter a vitória como objetivo. Já ganhei alguns torneios quando era mais novo, mesmo alguns do Circuito Drive da FPG, mas, entretanto, passei a ter pouco tempo para treinar e competir devido a estar no 6º ano do curso de Medicina».

Rui Brás (Troféu Ibérico de Clubes): «No ano passado já tínhamos jogado a Final em São Miguel e este ano viemos para a Terceira para lutar pelos lugares cimeiros ou para vencer. Já tinha lido que este campo tinha sido palco do Açores Ladies Open, mas, sinceramente, não ligo muito a isso porque nós, amadores, jogamos com outras valências como os handicaps e, para nós, por exemplo, o convívio é muito mais importante do que para as profissionais. Esta iniciativa é excelente porque permite aos amadores competirem fora do seu clube. Claro que há muitos circuitos, mas este destina-se mesmo aos jogadores de lazer de várias zonas do país, com vivências e realidades diferentes, que depois reúnem-se nesta Final. No ano passado criámos amizade com alguns jogadores, designadamente da equipa da Terceira e este ano o João Valadão recebeu-nos e mostrou-nos a sua ilha. Adorei os Açores e as duas ilhas que visitei nestes dois anos. Quanto à nossa participação, a Quinta das Lágrimas realizou seis provas qualificativas entre 72 pares. Nós temos um campo de pitch & putt e fizemos lá quatro qualificações e depois houve mais duas no campo da Curia. No final, contavam os quatro melhores resultados desses seis torneios e nós ganhámos outra vez. Estamos radiantes e satisfeitos de termos ganho a Taça André Jordan e sabemos que na nossa zona esta vitória será falada na Imprensa e também nas redes sociais».


Declarações do promotor do evento, José Carmona Santos (declaração completa em anexo)

«Ficamos cada vez mais convictos de que estes troféus são um reflexo intenso do golfe na sua forma mais genuína: torneios de clubes, campeonatos entre clubes e individuais, na modalidade de strokeplay e com a Final numa região que parece ter sido criada para o golfe».



Declarações de Paulo Menezes, Presidente do Grupo SATA

«É com muita honra que a Azores Airlines transportou nas suas asas os vencedores dos torneios de qualificação para o 4º Troféu Açores e 6º Troféu Ibérico de Clubes.

«Tendo como missão ligar os Açores ao Mundo e o Mundo aos Açores, a Azores Airlines integra este circuito tão particular na sua distribuição geográfica e diversidade de participantes, na intenção de dignificar o arquipélago como destino turístico de excelência para a prática do golfe enquanto modalidade que alia o desporto ao envolvimento com a Natureza.

«Com majestosas paisagens, os campos de golfe açorianos oferecem vistas de uma beleza ímpar que, seguramente, proporcionam a melhor experiência a todos os praticantes que vêm aos Açores».

Sobre a Stream Plan

O Troféu Açores e o Troféu Ibérico de Clubes são organizados e promovidos pela Stream Plan, empresa que encerra nos seus quadros e em parcerias diretas uma vasta equipa com grande experiência na organização de eventos desportivos (Volta a Portugal em Bicicleta, Volvo Ocean Race, Rali Dakar, Campeonatos do Mundo de Vela, Troféu de Portugal TP52, Lisbon Grand Prix Offshore, WCT Figueira Pro, etc.).



Em golfe, alguns dos elementos da Stream Plan foram responsáveis ou colaboraram, para além das edições anteriores do Açores Ladies Open, na realização de mais de 30 eventos do European Tour, incluindo o Open de Portugal, Estoril Open, Madeira Islands Open e Brazil Open e ainda inúmeros eventos do European Challenge Tour, Ladies European Tour e European Seniors Tour.

Contactos: Hugo Ribeiro (93 422 08 53 / press@streamplan.pt)
Twitter: Stream Plan /
FacebookClub de Golf Ibérico 
Assinatura de fotografias: João Moniz
Anexos: Press Release, declaração do promotor, fotografias e classificações.

GABINETE DE IMPRENSA
DA STREAM PLAN


Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince.        


PTee Booking: Revolução no golfe online em semana de Web Summit








PTee Booking

O PORTAL INTERNACIONAL
DE RESERVA EM TEMPO REAL

O GRUPO GOLFTATTOO EXPANDE-SE E COMPLEMENTA A OFERTA DE CONTEÚDOS EDITORIAIS COM UMA APP E UM NOVO PORTAL, COM O APOIO DE FUNDOS COMUNITÁRIOS E DO CONSELHO NACIONAL DA INDÚSTRIA DO GOLFE

O PTee Booking já está disponível como App gratuita para dispositivos móveis, quer para ambiente iOS, quer para Android, estando, assim, finalizada a fase de lançamento do novo portal nacional que pretende levar a todo o Mundo um conhecimento mais aprofundado dos campos de golfe portugueses, ao mesmo tempo que inaugura um serviço inédito de reservas online em tempo real.

O mais recente projeto inovador do Grupo GolfTattoo complementa a oferta já existente há dois anos de conteúdos editoriais e de venda de equipamento no site www.golftattoo.com/. E se no caso do site GolfTattoo foram estabelecidas parcerias com a Federação Portuguesa de Golfe e a PGA de Portugal, no que se refere ao PTee Booking há um contrato para utilização do Interface do Conselho Nacional da Indústria do Golfe (CNIG), com ligação direta aos sistemas de reserva online dos campos de golfe, e ainda a aprovação de financiamento comunitário ao abrigo do programa Portugal 2020.

A empresa PTee, Soluções Tecnológicas, Lda, detida na sua maioria pelo GolfTattoo mas também por um conjunto de investidores particulares que aposta no projeto, foi criada especificamente para desenvolver este novo serviço de informação e reservas de campos de golfe recorrendo para isso aos serviços da Hi-Interactive, empresa portuguesa especializada em tecnologias de informação.



Quem aceder ao endereço https://pteebooking.com/ ou à App móvel gratuita depara-se com um projeto bilingue (nos idiomas de português e inglês), com o cadastro detalhado de 75 campos de golfe portugueses, 25 dos quais já com a possibilidade de reserva de voltas online, sendo que, no curto prazo, será possível chegar às três dezenas e a médio prazo aos 50 campos.

Embora existam outros meios de proceder a reservas online de voltas em campos de golfe portugueses, o PTee Booking é o único a fazê-lo em tempo real, estimando-se que todo o processo fique concluído em 90 segundos. Há, igualmente, outros media digitais que elaboram breves descrições dos campos de golfe portugueses, mas o PTee Booking vai mais longe, ao contratar críticos especializados para viajarem aos campos e publicarem um relatório sobre a qualidade dos mais variados serviços associados, ao mesmo tempo que atribui notas numa escala de 0 a 5, convidando ainda os leitores/utilizadores a tecerem a sua própria apreciação.

«O traço distintivo do PTee Booking em relação a outros produtos existentes no mercado é estar inserido numa lógica de negócio que inclui a produção de conteúdos jornalísticos com a chancela reconhecida do GolfTattoo, o líder em Portugal de conteúdos editoriais ligados ao golfe, que tem parcerias, por exemplo, com os mais importantes eventos desportivos portugueses da modalidade, como o Portugal Masters, o Open de Portugal @ Morgado Golf Resort e o Açores Ladies Open», disse Pedro Castelo Branco, o presidente do GolfTattoo e do PTee Booking.

«Os nossos produtos jornalísticos são reconhecidos pela sua qualidade, mas também pela sua isenção e esse facto é fundamental na tarefa a que nos propusemos de avaliar os campos de golfe portugueses, de modo a que o grau de satisfação de quem nos visita seja o mais elevado possível. O ideal é que cada cliente nunca fique desiludido com a sua volta de golfe e continue a utilizar o portal/app nas suas reservas de voltas de golfe, por confiar cada vez mais nas nossas avaliações», acrescentou o empresário que tem desempenhado variadíssimas tarefas ligadas ao golfe, designadamente as de diretor de campo na Quinta da Marinha e no Montado.

O PTee Booking está presente nas redes sociais do Facebook, Twitter e Linkedin e em todas as plataformas do Grupo GolfTattoo. Também surgiu pela primeira vez nas revistas britânicas Today’s Golfer e Golf World, e há parcerias estabelecidas com o suplemento mensal de golfe da edição impressa do jornal Público e com o jornal digital de economia ECO.

Mas Pedro Castelo Branco não quer ficar por aqui e no âmbito do Portugal 2020 foi aprovado um projeto de internacionalização sustentado num plano de promoção ao longo de dois anos que inclui «uma forte aposta no marketing digital mas também no conhecimento “in loco” dos mercados externos, com a representação em torneios de golfe internacionais como o Open de Espanha, Nordea Masters (Escandinávia), BMW International (Alemanha) e British Masters (Reino Unido), onde se fixam mercados-alvo do golfe português».

A internacionalização do PTee Booking já está a ser reforçada mediante acordos de filiação na Booking.com e na Rentalcars.com, e o esforço aponta para nove mercados externos: Reino Unido, Suécia, Alemanha, Irlanda, Países Baixos, França, Dinamarca, Finlândia e Espanha.

«Pretendemos superar os 45 mil utilizadores registados durante o ano de 2019. Há uma nova tendência, ou, se preferirem, um novo nicho do mercado, o do turista que prefere agendar sozinho o seu voo, estadia, restaurante e também jogo de golfe. É nesse segmento que estamos a posicionar-nos cada vez mais e hoje em dia é possível agendar online uma “golf trip” completa em menos vinte minutos num smartphone», explica Pedro Castelo Branco, também ele um praticante regular de golfe.

O golfe continua a ser um produto estratégico do turismo em Portugal e tem vindo a recuperar largamente de alguma quebra sofrida por alturas da crise de 2008. De 2011 a 2014 ultrapassou-se sempre o milhão e meio de voltas vendidas em campos portugueses (dados do CNIG) e em 2016 superaram-se as 1,8 milhões de voltas (1.886.613). A PTee booking coloca-se assim na vanguarda de uma atividade desportiva e económica que todos os anos continua a dar tantos prémios a Portugal nos mais diversos fóruns internacionais de turismo.



Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince. 


TOMÁS SANTOS SILVA nº1 da Ordem de Mérito 1080 Produções da PGA de Portugal











Ordem de Mérito 1080 Produções 2017

TOMÁS SANTOS SILVA
N.º1 DA PGA DE PORTUGAL
LOGO NA PRIMEIRA ÉPOCA

UM ANO DEPOIS DE TER SIDO O MELHOR GOLFISTA AMADOR NACIONAL, O PROFISSIONAL DO TEAM PORTUGAL E DO CLUB DE GOLF DO ESTORIL FOI O MELHO9R NO CIRCUITO PROFISSIONAL PORTUGUÊS


Tomás Santos Silva é o n.º1 do circuito profissional português de golfe de 2017, ao terminar a época na liderança da Ordem de Mérito 1080 Produções, publicada hoje (quinta-feira) pela PGA de Portugal no seu site oficial.

O jogador do Team Portugal jogou pela primeira vez uma época completa como golfista profissional e alcançou o feito de ser o n.º1 com este novo estatuto, exatamente um ano depois de ter sido o n.º1 do Ranking Nacional BPI, uma tabela publicada pela Federação Portuguesa de Golfe e destinada aos melhores amadores portugueses.
 Aos 25 anos, Tomás Santos Silva completa talvez as suas duas melhores épocas seguidas de sempre e manifesta-se, naturalmente, satisfeito:

«Era um dos objetivos que tinha para a minha época. Sabia que não iria ser fácil, que seria preciso ser muito regular, para mais sendo um ‘rookie’ (estreante no circuito). Sinto que joguei boas voltas de golfe. Terminei com 28 pancadas abaixo do Par em 5 torneios disputados. Só neste último Open da Final do Circuito PT Empresas senti-me pouco confortável com o swing, mas, ainda assim, consegui um 5°lugar com 4 pancadas abaixo do Par».

A regularidade foi sempre um ponto forte do profissional do Club de Golf do Estoril nos tempos de amador e continua com essa característica.

É verdade que em 2017 só ganhou um torneio, o seu primeiro título como profissional, no Estela PGA Open, mas, em contrapartida, só fez top-5 nas restantes provas: 2º no Optilink PGA Open, 4º no Solverde Campeonato Nacvional PGA e 5º no Open da Final do Circuito PT Empresas.

O novo n.º1 do PGA Portugal Tour causou boa impressão no presidente da associação, José Correia, igualmente gestor do Team Portugal:

«Quero felicitar o Tomás, no seu ano de estreia como profissional. Afirmou-se ganhando a Ordem Mérito Nacional 1080 Produções, a sua regularidade ao longo da época acabou por premiá-lo com este título. Temos a responsabilidade de continuar a apoiar o Tomás no âmbito do projeto Portugal Team, porque a sua dedicação e a qualidade do seu jogo dão-nos excelentes perspetivas de futuro».



O PGA Portugal Tour, o circuito profissional português, decorreu entre maio e outubro, mas mesmo nos primeiros meses do ano, Tomás Santos Silva mostrou-se extremamente regular, ao concluir o Portugal Pro Golf Tour, o circuito internacional organizado pela PGA de Portugal em colaboração do britânico Jamega Pro Golf Tour, no 4º lugar, com 11 top-10!  

«Não posso deixar de agradecer à PGA Portugal, ao José Correia (presidente da associação dos golfistas profissionais portugueses), ao Ricardo Lopes (secretário geral da organização) à Sofia Câmara (press officer do Portugal Pro Golf Tour e secretária do PGA Portugal Tour) e a todos os parceiros da PGA que tornam possível a realização destes torneios que são importantes para os profissionais. Também agradeço a todos os que me ajudaram durante a época, a família, os amigos, a namorada e, sem dúvida, ao Team Portugal, ao Clube de Golf do Estoril, à Nike/Norgolfe, ao meu nutricionista e ao meu preparador físico», fez questão de frisar o jogador de 25 anos, residente em Cascais.

Tomás Santos Silva vai receber como prémio mil euros da 1080 Produções e sucede como n.º1 do circuito profissional português a Tiago Cruz, o n.º1 de 2016, 2015 e 2014, e a Hugo Santos, que também liderou durante três temporadas.

Para consultar a Ordem de Mérito 1080 Produções de 2017, da PGA de Portugal, é favor aceder ao link:  https://goo.gl/1qvWR2.


CONTACTOS: 96 142 46 60 / Hugo Ribeiro / press@pgaportugal.pt
FOTOGRAFIA: Tomás Santos Silva no Solverde Campeonato Nacional PGA 2017.
ASSINATURA DE FOTOGRAFIA: Ricardo Lopes / PGA de Portugal.
ANEXOS: Press Release, fotografia, ranking final de 2017 da Ordem de Mérito 1080 Produções de 2017, publicado pela PGA de Portugal.

GABINETE DE IMPRENSA
DA PGA DE PORTUGAL

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince. 


FINAL DO CIRCUITO PT EMPRESAS: Pedro Figueiredo faz dobradinha no Open e no Pro-Am



Para: Seção de Desporto ou de Modalidades
De: PGA de Portugal
Assunto: Golfe Nacional

Final do Circuito PT Empresas 2017

PEDRO FIGUEIREDO
IGUALA RICARDO SANTOS
COM 3 TÍTULOS EM 2017

O JOGADOR DO SPORT LISBOA E BENFICA FEZ A “DOBRADINHA”, AO VENCER O OPEN E O PRO-AM, NO GUARDIAN BOM SUCESSO GOLF, UM CAMPO “FÉTICHE” PARA O ANTIGO CAMPEÃO NACIONAL


Pedro Figueiredo igualou Ricardo Santos com 3 títulos conquistados no ano civil de 2017, sendo ambos os golfistas profissionais portugueses com mais vitórias alcançadas desde o dia 1 de janeiro.

“Figgy” venceu o Open da Final do Circuito PT Empresas, de 7.515 euros em prémios monetários, integrado no PGA Portugal Tour, o circuito profissional português.

Esse troféu juntou-se aos obtidos em fevereiro no Morgado Classic e em abril no Guardian Bom Sucesso Grand Final, ambos eventos do Portugal Pro Golf Tour, um circuito internacional.

O atleta do Sport Lisboa e Benfica fez a sempre apetecível “dobradinha”, uma vez que para além do sucesso no Open, arrecadou também o 1º lugar no Pro-Am da Final do Circuito PT Empresas, ao lado do amador espanhol Sergio Garcia… não obviamente o famoso campeão do Masters em Augusta, mas um residente em Portugal, que tem ainda o apelido de Leanizbarrutia.

Na competição individual, Pedro Figueiredo totalizou 129 pancadas, 15 abaixo do Par do campo do Guardian Bom Sucesso Golf, em Óbidos, após voltas de 62 e 67, recebendo um prémio de mil euros.

O 2º classificado, a 4 pancadas de distância, foi Hugo Santos, com o resultado de 133 (67+66), -11. Pertenceu-lhe a melhor segunda volta do torneio e embolsou 800 euros.

No Pro-Am, reuniram-se os amadores que ao longo do ano se foram apurando para esta Final e, ao contrário do que é habitual noutros Pro-Am, cada equipa foi constituída apenas por dois amadores e cada amador teve o privilégio de jogar dois dias seguidos com o mesmo profissional.

Nesta classificação coletiva, o profissional do Quinta do Peru Golf & Country Club emparceirou com o espanhol Sergio Garcia Leanizbarrutia e totalizaram 123 pancadas, com voltas de 61 e 62, tendo-se jogado no sistema de “fourball medal net”.

Os campeões bateram por 1 única pancada o “rei” dos Pro-Am em Portugal, João Carlota, associado à amadora Barbara Polzot, a formação que liderava aos 18 buracos e que concluiu os 36 buracos com o resultado de 124 (59+65).

«É sempre bom regressar às vitórias. Tive algumas oportunidades a meio da época, no Pro Golf Tour, mas não consegui nenhuma. Sabe sempre bem ganhar», disse Pedro Figueiredo ao Gabinete de Imprensa da PGA de Portugal, referindo-se ao facto de este ser o seu primeiro triunfo desde abril.

Entre janeiro e setembro de 2017 o campeão nacional de 2013 também competiu no Pro Golf Tour, uma das terceiras divisões do golfe profissional europeu, e viveu uma época muito boa.

Competiu em 21 torneios, alcançou 13 top-10, entre os quais três 2º lugares e dois 3º lugares. Fechou a temporada no 4º posto da Ordem de Mérito e com isso ascendeu ao Challenge Tour, a segunda divisão europeia, na qual irá competir em 2018.

O presidente da PGA de Portugal, José Correia, não poderia estar mais contente: «O Pedro está a passar por um excelente momento de forma. Esta época foi, sem dúvida, uma afirmação da sua qualidade como profissional de competição. A dupla vitória no Circuito PT Empresas confirma isso mesmo. É garantido que o “Figgy” irá competir no Challenge Tour em 2018, contudo, ainda poderá chegar ao European Tour (primeira divisão europeia) através da Escola de Qualificação, cuja Segunda Fase começa no próximo dia 3, em Espanha. Seria a cereja no topo do bolo vê-lo jogar para o ano no European Tour, ao lado do seu amigo de sempre, o Ricardo Melo Gouveia».

A boa forma de Pedro Figueiredo vê-se pelo resultado de 15 abaixo do Par com que terminou o Open da Final do Circuito PT Empresas, como o próprio jogador de 26 anos fez questão de sublinhar ao site especializado “GolfTattoo”: «Nunca tinha feito -10 numa volta (62 pancadas no primeiro dia), nem -15 em duas. As condições estavam perfeitas, não houve vento, mas não deixou de ser excelente».

Claro que o Guardian Bom Sucesso Golf é um dos traçados preferidos do profissional da Navigator. Em abril tinha ganho nesse mesmo percurso a Final do Portugal Pro Golf Tour, também com o bom resultado de 7 pancadas abaixo do Par, após voltas de 70, 68 e 71.

«Dou-me bem com o campo. Não é muito comprido, proporciona bastantes wedges ao green, o que me favorece, pois é um dos meus pontos fortes», explicou ao Gabinete de Imprensa da PGA de Portugal.

Sobre a outra vitória, a do Pro-Am, o benfiquista elogiou o seu parceiro amador: «Ajudou-me bastante, sobretudo no segundo dia, fez uma grande segunda volta e sem a ajuda dele não teríamos conseguido a vitória».

«Gostei deste formato, acho que interagimos mais com o nosso amador e existe mais química de equipa do que quando são três amadores e um profissional», acrescentou.

Recorde-se que é a segunda vez que a PGA de Portugal experimenta este formato especial de equipas de dois jogadores, de um profissional e um amador.

Foi em 2013 que se inovou, com o Oeste PGA Open, ganho por Tiago Cruz mas com Pedro Figueiredo em 2º lugar, enquanto na classificação coletiva o título foi para Vítor Lopes e Eduardo Gradiz.

O presidente da PGA de Portugal considera positivo o balanço do Circuito PT Empresas de 2017, que agora chegou ao fim: «Estamos muitíssimo satisfeitos com o Circuito PT Empresas. Um dos objetivos passava por proporcionar uma experiência de golfe única aos convidados e sem dúvida que isso foi alcançado. Os nossos profissionais estiveram em grande nível e sete deles concluíram os dois dias de prova abaixo do Par».

«Esta parceria com a PT Empresas vem reforçar a qualidade do PGA Portugal Tour e estamos muito honrados pelo voto de confiança que nos foi dado», concluiu José Correia.

Encerrou-se, assim, o PGA Portugal Tour de 2017, mas a competição não acabou para os profissionais portugueses e até ao final do ano haverá ainda seis torneios do circuito internacional Portugal Pro Golf Tour.

No somatório de todos os circuitos, os jogadores profissionais portugueses com títulos conquistados em 2017 são: Pedro Figueiredo e Ricardo Santos com 3, Tiago Cruz com 2 e com 1 um grupo extenso de oito (Ricardo Melo Gouveia, Filipe Lima, Stephen Ferreira, Tiago Rodrigues, Hugo Santos, Tomás Silva, Susana Ribeiro e Elídio Costa).


CONTACTOS: 96 142 46 60 / Hugo Ribeiro / press@pgaportugal.pt
FOTOGRAFIA: A equipa campeã do Pro-Am (do profissional Pedro Figueiredo e do amador Sergio Garcia Leanizbarrutia).
ASSINATURA DE FOTOGRAFIA: Ricardo Lopes / PGA de Portugal.
ANEXOS: Press Release, fotografia, resultados.

GABINETE DE IMPRENSA
DA PGA DE PORTUGAL

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince.